TOP 10: As maiores viradas de 2012 (6º e 5º lugar)

Nesta quinta-feira, as incríveis viradas do Criciúma, que mereceram o sexto e o quinto lugar da nossa lista

6ª - Criciúma 3x2 Ipatinga - A retomada da liderança

Apesar de ser apenas o início da Série B, o Criciúma mostrou contra o Ipatinga que seria um dos grandes favoritso a voltar para a elite do Brasileirão. Na sexta rodada da Segundona, no dia 23 de junho, o Criciúma provou que se tornaria o dono do pedaço da competição, quando se tratasse de recuperações históricas e vitórias conquistadas nos acréscimos.

Logo aos dois minutos da etapa derradeira, o artilheiro Zé Carlos deixou sua marca com um chute seco que colocava o Tigre de volta na partida. O jogo continuou movimentado, mas a bola só voltou a movimentar a rede faltando cinco minutos para o fim do jogo. Laércio aproveitou o contra ataque e recolocou o Ipatinga na frente do marcador. O antigo Betim Esporte Clube comemorou o tento como o gol que creditava três pontos a equipe. No entanto, a festa do clube mineuiro deu a entender que os jogadores em campo não contavam com a força do Heriberto Hulse e do Tigre que estava adormecido.

O Ipatinga não esperava isso e tentou ousar na casa do adversário. Na bobeada da zaga amarela e preta, o camisa dez Wellington Bruno, que depois de bons jogos foi tentar a sorte no Flamengo, recebeu livre entre a zaga na área e fez o único gol do primeiro tempo. O tento deixava o time mineiro na frente do placar. No entanto, o Heriberto Hulse ainda prometia muito mais nos últimos quarenta minutos finais de futebol.

A torcida do Criciúma puxou o grito de "Eu Acredito" e os onze jogadores com o uniforme amarelo e preto que estavam em campo pareciam fazer questão de atender ao pedido dos apaixonados torcedores. Já nos acréscimos, aos 46 minutos, André Gava desviou a bola escorada após a cobrança do escanteio e mostrou a força do Tigre. A festa foi armada, mas ainda parecia ser incompleta, apesar da euforia dos torcedores. Dois minutos depois, na última chance do Criciúma, Zé Carlos subiu mais alto que todos na área e colocou de cabeça para o fundo do gol. Vitória garantida na superação, conquistada com o apoio do torcedor, que fazia o seu time ser líder novamente.


VEJA TAMBÉM:

- TOP 10: As maiores viradas de 2012 (7º lugar)

- TOP 10: As maiores viradas de 2012 (8º lugar)

- TOP 10: As maiores viradas de 2012 (9º lugar)

5ª - Criciúma 4x3 América-RN - Virada heróica mantém invencibilidade no Heriberto Hulse

Sem perder a sete jogos, o Criciúma voltava a jogar em sua casa com a responsabilidade de manter a liderança da Série B e a invencibilidade em seus domínios. Era a décima sétima rodada da competição e, naquele dia 14 de agosto, o Criciúma era líder absoluto e poderia assegurar ainda mais a boa fase. Em um jogo imprevisível, de tudo um pouco aconteceu. Coisas do futebol.

Aos seis minutos de partida, o dever de casa começou a ser bem feito. Lucca fez boa jogada pela direita e jogou a bola no pagode. Thiago Schimidt não caiu no samba e rebateu a gordinha, que deixou Giovanni Augusto livre para abrir o placar. Apesar do goleiro Douglas Leite sair machucado, o primeiro tempo só não foi melhor porque mais gols não saíram. O Mecão passou a contar com menos um em campo, porque Márcio Passou foi expulso depois de fazer falta dura no até então artilheiro do confronto.
Veio então os 45 minutos finais que construíriam a grande partida daquele dia. A desigualdade em campo, de forma controversa, acordou o Dragão Potiguar, que passou a pressionar e conseguiu empatar com Pingo, aos 14 minutos do segundo tempo. O goleirão Michel Alves, recentemente contratado pelo Vasco, não conseguiu segurar um chute forte que veio de longe. Na sobra o volante Pingo, que seria o artilheiro do jogo, não perdoou e empurrou para o gol. O Criciúma bem que tentou, mas quem voltou a marcar foi o América, aos 28 e aos 32 minutos. Mais dois de Pingo, que computava incríveis 3 a 1 para o visitante potiguar.

A torcida já não acreditava em uma nova virada, mas o inesperado aconteceu a favor do Tigre mais uma vez. Aos 39 minutos, o artilheiro Zé Carlos levou a linha de fundo, cruzou, Gilmar descontou e trouxe a bola correndo para o jogo voltar a ser iniciado. 3 a 2 no placar. Três minutos depois, após tabelinha, Lucca colocou na gaveta, após novo cruzamento que veio da linha de fundo. Repeteco do segundo, representando o empate, que já fazia valer o ingresso.

A cada gol a torcida explodia junto com os jogadores no gramado. Os acréscimos vieram e, com ela, o empate que parecia ser difícil, transformou-se em uma vitória impossível para quem acompanhava o duelo. Em bola levantada na área, a zaga cortou, mas no rebote, Gilmar bateu sem ângulo, mas fez a bola morrer no fundo da rede. Nova recuperação em Santa Catarina, que consagrava o Criciúma cada vez mais como o time que carimbava os três pontos nos minutos finais das partidas, com a força do seu torcedor.