Mesmo após declarações, Mari ainda tem as portas abertas na seleção

Zé Roberto colocou panos quentes e declarou que a jogadora pode voltar à aquipe brasileira.

O corte de Mari e a relação com o técnico da seleção brasileira de vôle, José Roberto Guimarães, segue dando o que falar.  Zé Roberto afirmou, nesta segunda, que as portas da seleção ainda estão abertas à atacante, mesmo depois das polêmicas declarações da jogadora à revista Istoé 2016, em novembro de 2012.

Leia Também

- Baixinhos?! Sasha já está no meio de gente grande
- São Bernardo bate o Volta Redonda e põe fim a jejum na Superliga Masculina
- Alemanha é o primeiro desafio do Brasil no Mundial de Handebol

"A seleção não está aberta apenas a ela, mas a todas as jogadoras do Brasil. A seleção não é minha, é do Brasil. Para estar na seleção, é necessário ter postura, conduta, tranquilidade e responsabilidade", disse o treinador, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

Zé Roberto optou pelo corte da atleta três semanas antes da Olimpíada. Na época, optou por levar Tandara como reserva de Sheilla e ter Natália, que se recuperava de cirurgia, como opção na ponta, deixando Mari de fora da campanha que valeu o bicampeonato olímpico para a seleção. Para isso, ele alegou que as coisas não andavam bem.

Depois do corte, Mari ainda não voltou à boa fase mesmo jogando no Fenerbahce, da Turquia. A atleta já teve duas lesões no clube e hoje é reserva de Paula Pequeno.