Cláusula protege São Paulo em caso de venda de Pato

O São Paulo não aceitou uma troca simples entre Alexandre Pato e Jadson por saber que o atacante, apesar do mau momento que vive no Brasil, continua a chamar a atenção em outros países. No contrato de empréstimo, tem uma cláusula que só obriga o clube a liberá-lo caso o Corinthians receba uma proposta de 15 milhões de euros (R$49 milhões), valor pago há um ano para tirá-lo ao Milan.

O São Paulo ainda colocou no contrato um dispositivo que garante 10% sobre o lucro que o Corinthians tiver em uma eventual venda de Pato durante o período do empréstimo, até o final do ano que vem. Dessa forma, por exemplo, se o atacante for negociado por 20 milhões de euros, 500 mil euros iriam para os cofres são-paulinos (10% dos 5 milhões de euros de um hipotético lucro corintiano).

A negociação ainda prevê que o Corinthians pague metade do salário do jogador - que recebe atualmente R$ 800 mil entre vencimentos e direitos de imagem - durante a cessão por empréstimo. "Estamos trocando dois artistas sem nenhum prejuízo financeiro para a instituição. Não gastaremos um centavo a mais", comemorou o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio.

Jadson deve romper o contrato atual e assinar um vínculo com o Corinthians. Ficou acertado que ele não poderá enfrentar o agora ex-clube até dezembro de 2015. O mesmo vale para Pato, que só poderá defender o São Paulo na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro, já que estourou o limite de três jogos no Paulistão.