Após pancadaria em posto de gasolina, Maiquel Falcão fala que sofreu racismo

Em entrevista, Maiquel Falcão fala que sofreu com ato criminoso e lamenta tragédia envolvendo Kauê Mena

Um episódio triste marcou as carreiras e vidas dos atletas Maiquel Falcão e Kauê Mena. Ex-companheiros de treino da RFT, equipe de MMA que os dois integravam, tiveram suas trajetórias no mundo da luta alteradas após a pancadaria no posto de gasolina, no litoral de Santa Catarina.

Relembre o ocorrido:


Veja mais:
Atriz pornô e Lutador de MMA selam namoro com tatuagens
Lutadores do UFC analisam derrota de Spider
Anderson Silva sobre luta contra Chris Weidman: "Perdi para mim mesmo"

Culminando com a expulsão da RFT e no estado crítico Kauê Mena, que se encontra na UTI após a confusão, a tragédia ganhou novos capítulos após a entrevista de Maiquel Falcão ao jornal Meio-Dia:

"Nós havíamos tomado umas três cervejas no barzinho e fomos ao posto para tomar mais uma. A moça que estava no balcão achou que eu estava dando em cima dela e se virou para mim se referindo com apelidos racistas. Se fosse para eu agredir alguém, olha quantos homens tinham ali, eu jamais agrediria uma mulher. Se nós estivéssemos acostumados a beber, nada disso teria acontecido. Com meia dúzia de palavras dava para ter resolvido isso, mas não sei o que se passou na cabeça daqueles caras. Aquele dia eu fui assaltado, levaram o meu tênis, uma jaqueta e a minha carteira. Foi uma dupla tentativa de latrocínio”, contou Maiquel Falcão.

Sobre a situação de seu amigo, Falcão lamentou o episódio e pediu desculpas a familia de Kauê Mena:

“O Kauê e eu levamos pauladas, estou muito magoado e abatido por isso ter acontecido com ele, hoje foi o primeiro dia que eu consegui andar por causa daquela briga generalizada no posto. Peço um milhão de desculpas à família dele, peço perdão para os amantes do MMA e lutadores. Fico triste por ter envolvido o nome do esporte nesse episódio”, declarou.