End Zone

Do sonho ao real – As 69 jardas mágicas do menino Jack

Antes do snap, Jack não parece acreditar onde está. Foto: Associated Press

Ele tem a metade do tamanho deles e pesa bem menos que aqueles que estavam no campo da Universidade de Nebraska. Nada disso importou. Aos 7 anos de idade, o menino Jack Hoffman fez o que parecia ser um distante sonho tornar-se realidade. Em uma 4ª descida para uma da própria linha de 31 jardas, Nebraska optou por não chamar o time de especialistas para chutar a bola. Preferiu pôr em campo o jovem garoto. A jogada foi autorizada, a bola foi dada para Jack e ele correu 69 jardas para anotar o touchdown.

Mas quem é esse menino? Jack Hoffman é torcedor do time universitário, acompanha os jogos, tem uniforme e não perde um jogo do time de coração. Ele também luta com um câncer no cérebro desde abril de 2011. De lá para cá, ele passou por duas cirurgias e sessões de quimioterapia que fizeram o tumor entrar em remissão e dar à família de Jack a esperança de que melhores dias estão por vir.

Jack enquanto percorria as inesquecíveis 69 jardas. Foto: Associated Press

Jack é também amigo do running back da Universidade de Nebraska. Eles se conheceram ano passado e o jogador passou a se dedicar na recuperação do jovem amigo. Rex Burkhead criou uma rede de apoio para Jack e, esta semana, juntamente com o diretor da universidade, resolveram homenagear o menino. Convidaram Jack para ir até o campo da universidade e participar do jogo.

Os pais souberam do convite e prontamente aceitaram. Eles dizem que só foi possível acreditar quando viram o filho dentro de campo. "Foram muitas emoções de uma vez só. Foi emocionante poder vê-lo dentro o campo", disse o pai. Jack Hoffman correu 69 jardas, anotou o touchdown para o time do coração e ainda foi ovacionado pelas mais de 60 mil pessoas que acompanhavam o jogo entre o time A e o time B da Universidade.

Jack Hoffman prova que é fã mesmo do time universitário de Nebraska

Logo depois de entrar na endzone, foi só festa. Jack foi carregado pelos dois times e fez o que até algum tempo atrás nunca imaginaria ser possível fazer. Logo após anotar o touchdown, foi perguntado como era poder entrar em campo e estar ao lado dos ídolos. Jack Hoffman foi simples e direto ao ponto. Disse apenas que foi “incrível”. E não tinha como ser diferente. Incrível é também a mesma sensação sentida pelos que abraçaram a causa do jovem menino e daqueles que já puderam ver a mágica jogada.

O vídeo do “incrível” touchdown você vê aqui: