Casca Grossa

Superluta, musas, estigmas, puladas de fila: o que esperar das próximas disputas de cinturão do UFC

GSP x Diaz: agora vai!O primeiro semestre da temporada 2013 do UFC aponta potencial avançado para combates memoráveis. Até o mês de abril, sete disputas de cinturão serão travadas, cada uma com peculiaridades interessantes. Abaixo, um breve relato do que esperar.

**Siga o Blog no Twitter:@cascagrossablog
***CURTA o Casca-Grossa no Facebook!

Demetrious Johnson x John Dodson (moscas, 26 de janeiro)
Categoria mais recente em disputa no UFC, os moscas ainda estão em franco desenvolvimento. Na atualidade, já há deiversos atletas de ponta capazes de proporcionar combates de alto calibre. É o caso do atual campoeão Johnson, que desbancou o favoritismo de Joe Benavidez e se tornou o primeiro campeão do Ultimate na categoria. Dodson é um lutador performático e repleto de recursos para proporcionar bom espetáculo.

José Aldo x Frankie Edgar (penas, 2 de fevereiro)
Acredite, tem gente que acha aque Edgar, ex-campeão peso leve, não mereceria uma chance imediata contra o brasileiro, por ser a primeira 'descida' aos penas. Bobagem. Referências entre os mais leves, Aldo x Edgar configura a primeira das tão esperadas superlutas.

Aldo x Edgar: colossalO norte-americano vem da marca sonora de sete disputas consecutivas por cinturão (duas com BJ Penn, duas com Gray Maynard e outras duas com Ben Henderson). Aldo conta com o já famoso padrão de luta que mescla elegância e demolição, e terá boa prova de fogo para atestar que segue como um dos melhores nos rankings peso por peso do mundo.

Renan Barão x Michael McDonald título interino/galos, 16 de fevereiro)
O cinturão interino sempre carregou o estigma de 'prêmio de consolação', mas desta vez a disputa - inevitável em virtude do campeão oficial Dominick Cruz ainda estar impossibilitado de retornar por lesão - tem chances de sobra para valorizar mais o mérito temporário, em posse atual de Barão.

O potiguar tem a marca monstruosa de 29 vitórias seguidas (quatro pelo UFC). É um lutador e de estilo fluido e bem equilibrado. O igualmente versátil McDonald tentará a nona vitória consecutiva (quatro pelo UFC).

Ronda Rousey x Liz Carmouche (galos, 23 de fevereiro)
Primeira luta feminina da história do Ultimate. Ronda não é a atual 'musa do MMA' apenas pela beleza. A judoca norte-americana, ex-campeão do Strikeforce que teve o título migrado para o Ultimate, é casca-grossa de primeira linha. Carmouche é uma lutadora dedicada, mas o favoritismo total pende para Ronda.

Georges St.Pierre x Nick Diaz (meio-médio, 16 de março)
O combate deveria ter acontecido em 2011, mas o sempre indisciplinado, tempestivo e polêmico Diaz faltou em dois eventos promocionais na época, e Dana White o tirou da luta. St.Pierre ficou mais de um ano parado em virtude de grave lesão no joelho, mas unificou o cinturão em lutão contra Carlos Condit, em novembro.

Será mais um confronto no estilo 'dedicado x rebelde'. Muitos contestam o fato de Diaz não ser merecedor atual da chance. Ele vem de derrota para o mesmo Carlos Condit e ficou na frente de outros 'embalados', que esperavam pela chance, caso de Johnny Hendrix. Mas o tom de 'desafio adiado' entre Diaz x GSP até que funciona como boa justificativa.

Em tempo: Nick Diaz (finalmente) apareceu e participou da primeira coletiva de promoção da luta, realizada quarta-feira (23). Agora vai!

Jones x SonnenBen Henderson x Gilbert Melendez (leve, 20 de abril)
Campão peso leve Strikeforce e considerado a melhor importação da hoje finada marca para o Ultimate, o campeão peso leve Melendez entra pela porta da frente na maior organização de MMA do mundo. Atual detentor do título, Henderson tem mostrado evolução gradativa, atuações de tática coesa e aponta a plena dominância na divisão. Melendez é um atleta bastante regular e certamente fará frente ao campeão. Boa pedida!

Jon Jones x Chael Sonnen (meio-pesados, 27 de abril)
A grande 'casca de banana' da vez? Sonnen não atuava entre os meio-pesados desde 2005, mas protganizará o TUF 17 ao lado de Jones, e tem disputa imediata de cinturão garantida no fim do programa. O que para muitos é uma das maiores pataquadas dos últimos tempos - pela qualidade de outros nomes da divisão que estão na espera pela chance - para Dana White funciona como 'bônus' merecido para o falastrão.

Além de confiar no poder da tradicional língua solta para alavancar a audiência do TUF (anda mal das pernas nos Estados Unidos), o chefão do UFC ressaltou que Sonnen foi o primeiro que se prontificou a tapar o buraco deixado por Dan Henderson no fatídico, e posteriormente cancelado, UFC 151.

Na ocasião, Hendo era o desafiante original, mas se lesionou pouco antes do combate. Sonnen foi oferecido, Jones se negou veementemente a enfrentá-lo. O fato causou a ira momentânea de White, e Jones acabou dentro do octógono com Vitor Belfort, na edição 152. Posteriormente, não teve papo. O mandatário disse que esta seria "a luta que os fãs queriam assistir", e praticamente obrigou Jones entrar no TUF e encarar Sonnen.