Casca Grossa

[Raio X] UFC 146: Júnior Cigano x Frank Mir

Cigano x Mir: quem vence?O clichê antigo no mundo das lutas de que "só se conhece um campeão de verdade após a primeira defesa de título" mais uma vez será válido? Espere para saber. De qualquer forma, o brasileiro Júnior Cigano coloca o cinturão em jogo na edição 146 do UFC que acontece sábado (26), contra o norte-americano Frank Mir em confronto que promete abalar estruturas em Las Vegas (EUA).

**Siga o Blog no Twitter:@cascagrossablog
***CURTA o Casca-Grossa no Facebook!

Cigano é um dos boxeadores mais precisos e demolidores do MMA. Alia a truculência típica da categoria com leveza na movimentação e velocidade acima da média para alguém com seu porte físico. O pool de habilidades, encontrados raramente entre pesados, é considerado o diferencial de sucesso, embasado por seis vitórias por nocaute em oito lutas - além de estar invicto - até aqui pela marca.

Na prática, o uppercut de direita é a marca registrada mais presente, usado regularmente tanto na média distância quanto em contragolpes com deslocamentos. Outro golpe que chama atenção é o jab ou direto na linha de cintura, usado tanto para marcar distâncias como para fintas ou cadenciar sequências.

Com jogo fluido, Cigano sabe capitalizar ataques em ângulos diferentes e mostrou  grande amadurecimento no plano de luta desde o desafio com Shane Carwin (UFC 131), quando adotou postura calculista para acumular danos gradativos ao oponente em três assaltos. Com isso, ganhou em versatilidade e passou na ser conhecido mais do que apenas um 'artista do nocaute' e faturou no desafio seguinte (UFC ON FOX 1) o título com nocaute avassalador sobre Cain Velásquez

***LEIA mais análises de lutas com brasileiros no UFC 146 aqui!

Em termos gerais, o combate pode ser grande pesadelo para Mir, que não é lá muito bom em absorver socos no rosto e geralmente perde o controle quando isso acontece. Como carta na manga, o ex-campeão da categoria carrega a vivência de 11 anos pelo UFC e também um dos arsenais mais criativos de controles e finalizações no solo entre os da mesma faixa de peso. O nível de luta de solo de Cigano nunca foi testado. Será a primeira vez?

Cigano: primeira defesaAs habilidades em pé do norte-americano também não podem ser renegadas. Mesmo que duvidosas para muitos, trazem méritos em nocautes como o sobre Mirko Crocop (UFC 117) e Rodrigo Minotauro (UFC 92), e correm por fora para novamente dar algum lampejo de vantagem ao desafiante. O grande problema está na falta de frieza para as trocas mais intensas. Tanto que das cinco derrotas de Mir no UFC, todas foram por nocaute, em proporção 100% de difícil digestão.

No meio disso tudo, a prova de fogo para Cigano também estará em aspectos subjetivos. Como dito, há a pressão psicológica brutal das primeiras defesas de título, há mais assédio de fãs e imprensa, há mais acordos de patrocínios envolvidos e todos os outros problemas além da esfera esportiva que os ídolos têm de aprendem a lidar.

Outro fator 'motivacional' que pode fazer diferença é o fato de Mir ser o primeiro lutador no mundo a finalizar Rodrigo Minotauro (com uma kimura que quebrou o braço, na edição 140) um dos mentores de Cigano no MMA. O catarinense afirmou em entrevistas que se abrigar nisso pode ser faca de dois gumes, e pretende apenas fazer o trabalho em cima do octógono. Será mesmo?

PALPITE: Quem espera uma luta mais longa, é melhor se preparar para o inverso. Cigano pode ser mais cauteloso nos primeiros momentos, mas partirá para cima do adversário no puro instinto e sem complicações estratégicas.

Mir sabe que a chave do sucesso é encurtar a distância, levar ao solo e ajustar alguma finalização, e deve tentar isso a todo custo para arrancar o cinturão do brasileiro. Desta vez, porém, acho que não será suficiente. Cigano vence por nocaute no segundo assalto.