Blog do Vitor Sergio

Mundial de Clubes: Conheça o Auckland City

Falta menos de uma semana para o início do Mundial de Clubes da Fifa, competição que fecha o 2012 do futebol mundial, no Japão. Na quinta-feira que vem, às 8h15 (horário de Brasília), Auckland City (campeão da Oceania) e Sanfrecce Hiroshima (representante da casa, como atual campeão japonês) abrem o torneio, que de novo terá muita atenção no Brasil, com um clube nacional na briga pelo terceiro ano seguido, agora o Corinthians.

Auckland vai ao Mundial da Fifa pela quarta vezPara entrar no clima, o Blog do Vitor Sergio vai trazer um resumo de cada um dos sete times da competição, começando com o Auckland City, da Nova Zelândia. Mesmo tendo sido fundado em 2004, o Auckland City não teve problema para dominar o cenário do futebol na Oceania (muito em virtude de os clubes da Austrália irem jogar a Liga dos Campeões da Ásia). Desde então são quatro títulos da Nova Zelândia e quatro títulos da Liga dos Campeões da Oceania, torneio em que é o atual bicampeão.

Essa supremacia faz com que o Auckland City chegue ao Mundial pela terceira vez nos últimos quatro anos. A equipe que estará em campo para enfrentar o Sanfrecce Hiroshima é muito parecida com a que no ano passado perdeu para o Kashiwa Reysol também no primeiro jogo. O técnico é o mesmo, o espanhol Ramon Tribulietx, e a base do time foi mantida (do time titular só dois jogadores saíram). A expectativa é que é diferente. Todos querem repetir o desempenho de 2009, quando passaram pelo time da casa, o Al Ahli, dos Emirados Árabes, perderam para o Atlante, do México, mas derrotaram o Mazembe (aquele!) por 3 a 2 na disputa do quinto lugar.

Ponto forte: O conjunto. É um time que joga junto há muito tempo e vem conseguindo evoluir. Se não levar gol logo no início, pode complicar o Sanfrecce Hiroshima por isso.

Ponto fraco: Qualidade individual. O Auckland City, que joga em uma liga semi-profissional, sente falta de jogadores com mais qualidade para desequilibrar um jogo.

Fique de olho: Manel Exposito. Espanhol, que joga pela meia-esquerda, foi autor de seis dos 12 gols do Auckland no título continental. Foi da base do Barça e estreou no time principal no mesmo jogo que Messi.

Time-base: Normalmente joga em um 4-2-3-1. Mas no último Mundial Tribulietx mudou um pouco a formação tática, optando por um 4-1-4-1 para ter um jogador à frente da área. Deve repetir essa estratégia. A chave do time é o trio de espanhóis Pedro, Riera e Exposito no meio. O zagueiro e capitão Ivan Vicelich é o líder do time.

Trajetória: Chegou ao Mundial ganhando o título da Liga dos Campeões da Ásia. Bateu o Tefana, do Taiti, vencendo os dois jogos da decisão: 2 a 1 em casa e 1 a 0 jogando fora.

Caminho para o título: pega o Sanfrecce no jogo qualificatório. Se vencer, enfrentar o Al-Ahly, do Egito. Passando, seria o rival do Corinthians na semifinal.